Três palavras da liturgia deste domingo levantam-nos do chão, a partir do encontro com o Senhor, que dá vida. A primeira palavra é a de que Deus nos criou para a vida eterna. A segunda palavra é a de que Cristo Se fez pobre para nos enriquecer com a Sua pobreza. A terceira palavra é a de que Jesus nos manda dar de comer a quem precisa de pão para viver. Peçamos então ao Senhor que nos dê fome e sede de Deus, para O procurarmos como alimento de vida eterna! Peçamos ainda ao Senhor que nos dê um coração pobre, para O reconhecermos num bocado de Pão! Peçamos também ao Senhor que a partilha do Pão da Eucaristia faça de nós pão repartido pela vida dos irmãos! Preparemo-nos para O receber, reconhecer e repartir.

O tempo do verão, com os santos e as festas populares, é muito propício à celebração da festa da vida e da alegria de viver. A Solenidade do Nascimento de São João é, por isso, um estímulo a celebrar o dom da Criação e a saborear os seus frutos mais belos. Alegremo-nos, pois, com o nascimento de João Batista (Lc 1,14). E aprendamos, com ele, «a saltar de alegria» (Lc 1,41)pelo dom da vida. Invoquemos do Senhor a Sua misericórdia.

Há oito dias, a primeira parábola do Evangelho sugeria-nos a estranha confiança do semeador, que via a semente germinar e crescer, «enquanto ele dormia e se levantava». E hoje, o mesmo Semeador, agora na imagem do comandante da barca, resolve deitar-Se a dormir, à popa, sobre uma almofada. A imagem é sugestiva: Jesus permanece no comando da nossa barca, da nossa vida, ainda que muitas vezes nem nos apercebamos da serenidade da sua condução! Não é a nossa agitação que conta. É o seu sono tranquilo. Por isso, escreveu, com notável beleza, São João da Cruz: «Se me colhe a tempestade e Jesus vai a dormir na minha barca, nada temo porque a Paz está comigo». É neste clima poético de silêncio e de espanto, que nos abeiramos do mistério humilde da presença escondida de Deus, que de novo nos desafia a confiar na sua presença.

Não são histórias da carochinha as parábolas do Reino, que Jesus nos conta. Elas destinam-se a fazer-nos entrar no modo de Deus ser e agir neste mundo, a partir do coração de cada um. Ali, onde o amor de Deus, secreto e discreto, nos alcança e transforma, ali germina, cresce, floresce e frutifica o Reino de Deus. As parábolas deste domingo desafiam-nos a acreditar no potencial desenvolvimento da pequena semente, precisamente enquanto o semeador dorme e se levanta. Deixemos que este tempo, com o Senhor, na Eucaristia, seja o tempo do agir de Deus, que tanto pede a nossa colaboração como a nossa confiança, para sonharmos juntos um futuro melhor. De coração confiante, invoquemos a Sua misericórdia.

Na passada quinta-feira recordávamos que a Eucaristia instaura uma nova consanguinidade, uma nova familiaridade, uma nova fraternidade entre nós, em Cristo. Os que comem do mesmo Pão e à mesma mesa e os que bebem do mesmo cálice do Sangue de Cristo tornam-se consanguíneos, única família de Cristo, nutrida e reunida à volta da mesa do seu Senhor. Neste X Domingo, agora do Tempo Comum, é bom pensar que esta família também se afirma e cresce, dia a dia, como pequenina Igreja doméstica, à mesa da Palavra. A nova família de Jesus reúne-se, em cada domingo, nesta Casa, à volta de Jesus, para se sentar à mesa da Palavra e da Eucaristia.

Pág. 6 de 76
Top

A Paróquia Senhora da Hora utiliza cookies para lhe garantir a melhor experiência enquanto utilizador. Ao continuar a navegar no site, concorda com a utilização destes cookies. Para saber mais sobre os cookies que usamos e como apagá-los, veja a nossa Política de Privacidade Política de Cookies.

  Eu aceito o uso de cookies deste website.
EU Cookie Directive plugin by www.channeldigital.co.uk