Novembro traz consigo o problema da morte e, com ela, as grandes questões da vida. E a Liturgia da Palavra projeta hoje sobre nós a luz e a esperança da ressurreição, que celebramos em cada domingo, em cada Eucaristia! Iniciamos também (hoje) a Semana de Oração pelos Seminários, pedindo ao Senhor que não falte, à Igreja e ao mundo, o testemunho de vida dos padres, cuja escolha com sabor da eternida de é já um sinal da vida nova da Ressurreição.

Podia ser uma videira, mas era um sicómoro. Zaqueu subiu àquela árvore e tornou-se o fruto novo do olhar de Jesus. «Hoje entrou a salvação nesta casa» (Lc 19,9). Por isso, renovo hoje o apelo do Dia de Todos os Santos: “Deixa que a graça do teu Batismo frutifique num caminho de santidade. Deixa que tudo esteja aberto a Deus e, para isso, opta por Ele, escolhe Deus sem cessar. Não desanimes, porque tens a força do Espírito Santo para tornar possível a santidade e, no fundo, esta é o fruto do Espírito Santo na tua vida. Quando sentires a tentação de te enredares na tua fragilidade, levanta os olhos para o Crucificado e diz-Lhe: «Senhor, sou um miserável! Mas Vós podeis realizar o milagre de me tornar um pouco melhor»” (GE 15)! Corramos para Jesus e acorramos à Sua misericórdia!

Estes dois grandes dias, de Todos os Santos e de Fiéis Defuntos, são dias grandes e belos, para fazermos a memória viva do nosso Batismo. Porque somos chamados a fazer frutificar o Batismo num caminho de santidade. E porque o Batismo nos mergulha no mistério da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. Se o Batismo é a nossa primeira páscoa, novo nascimento, a nossa morte é a última páscoa, o renascimento definitivo para a vida eterna. Que esta celebração “aumente em nós a esperança de que os nossos irmãos, chamados a ser pedras vivas do templo eterno de Deus, ressuscitarão gloriosamente com Cristo” (cf. Ritual das Exéquias, n.º 97).

Todos os Santos é uma belíssima solenidade litúrgica, que nos diz respeito a todos e a cada um. Diz respeito a todos os batizados, que foram santificados e regenerados em Cristo! Diz respeito a cada um, escolhido pelo Senhor “para ser santo e irrepreensível na sua presença, no amor” (cf. Ef 1,4). O nosso coração eleva-se hoje para essa medida alta da vida cristã comum, quando se vê rodeado de uma nuvem de testemunhas, “que nos estimulam a correr para a meta” (GE 3). E hoje contemplamos todos os Santos que cantam no Céu o louvor perfeito e intercedem por nós. São os santos que nos encorajam e acompanham. São os santos de antigamente e de longe, mas também os santos de hoje e de “ao pé da porta, daqueles que vivem perto de nós e são um reflexo da presença de Deus” (GE 7).

Saímos de casa e subimos ao Templo para rezar. Pomo-nos de pé, que é a posição que melhor nos recorda que somos chamados a viver de cabeça levantada, de olhos voltados para Deus! A posição de pé lembra-nos ainda a vitória de Cristo, o Cordeiro Pascal, que foi imolado e está de pé, quer dizer, está vivo e ressuscitado. De pé, somos gente viva e ressuscitada com Cristo! Cantemos e louvemos o Senhor.

Pág. 12 de 61
Top

A Paróquia Senhora da Hora utiliza cookies para lhe garantir a melhor experiência enquanto utilizador. Ao continuar a navegar no site, concorda com a utilização destes cookies. Para saber mais sobre os cookies que usamos e como apagá-los, veja a nossa Política de Privacidade Política de Cookies.

  Eu aceito o uso de cookies deste website.
EU Cookie Directive plugin by www.channeldigital.co.uk