Não são histórias da carochinha as parábolas do Reino, que Jesus nos conta. Elas destinam-se a fazer-nos entrar no modo de Deus ser e agir neste mundo, a partir do coração de cada um. Ali, onde o amor de Deus, secreto e discreto, nos alcança e transforma, ali germina, cresce, floresce e frutifica o Reino de Deus. As parábolas deste domingo desafiam-nos a acreditar no potencial desenvolvimento da pequena semente, precisamente enquanto o semeador dorme e se levanta. Deixemos que este tempo, com o Senhor, na Eucaristia, seja o tempo do agir de Deus, que tanto pede a nossa colaboração como a nossa confiança, para sonharmos juntos um futuro melhor. De coração confiante, invoquemos a Sua misericórdia.

Na passada quinta-feira recordávamos que a Eucaristia instaura uma nova consanguinidade, uma nova familiaridade, uma nova fraternidade entre nós, em Cristo. Os que comem do mesmo Pão e à mesma mesa e os que bebem do mesmo cálice do Sangue de Cristo tornam-se consanguíneos, única família de Cristo, nutrida e reunida à volta da mesa do seu Senhor. Neste X Domingo, agora do Tempo Comum, é bom pensar que esta família também se afirma e cresce, dia a dia, como pequenina Igreja doméstica, à mesa da Palavra. A nova família de Jesus reúne-se, em cada domingo, nesta Casa, à volta de Jesus, para se sentar à mesa da Palavra e da Eucaristia.

Esta é uma quinta-feira muito especial, para celebrarmos a memória agradecida do dom da Eucaristia, naquela outra quinta-feira, de feliz e santa memória. A gratidão por este dom do Corpo entregue e do Sangue derramado por nós comove-nos na amizade do Senhor e move-nos ao compromisso de uma vida oferecida pelos outros, até à última gota de sangue!

Concluído o tempo pascal, celebramos hoje a Solenidade da Santíssima Trindade. Quando falamos da Santíssima Trindade, referimo-nos ao imenso mar de Amor que é Deus e há em Deus. A Santíssima Trindade é este Amor eterno, inesgotável, que une, desde sempre, as três pessoas divinas: o Pai, que enviou ao mundo o Seu Filho; o Filho, que Se entregou ao Pai por todos nós; e o Espírito Santo, que é o Amor transbordante do Pai e do Filho derramado em nossos corações.

Estamos a concluir os cinquenta dias de Páscoa, com a grande Solenidade do Pentecostes. O Espírito Santo é derramado sobre a comunidade reunida em volta dos Apóstolos. É o sopro deste Espírito que põe fim ao confinamento da primeira Igreja e abre todas as portas e janelas com novas vistas e novos caminhos para a missão. Também hoje, neste Pentecostes de 2021, o Espírito Santo é um dom e uma presença de amor divino, que nos impele a enfrentar a novidade deste tempo e nos lança no mundo para darmos testemunho de Cristo vivo. Nesta Eucaristia, deixemos que o mesmo Espírito Santo, que converte a diversidade dos fiéis num só Corpo e converte o pão e o vinho no Corpo e Sangue do Senhor, transforme também o nosso coração e nos dê novo fôlego para a missão.

Pág. 1 de 71
Top

A Paróquia Senhora da Hora utiliza cookies para lhe garantir a melhor experiência enquanto utilizador. Ao continuar a navegar no site, concorda com a utilização destes cookies. Para saber mais sobre os cookies que usamos e como apagá-los, veja a nossa Política de Privacidade Política de Cookies.

  Eu aceito o uso de cookies deste website.
EU Cookie Directive plugin by www.channeldigital.co.uk