Todos aqui renascemos”. Este é o nosso desejo, o nosso propósito, o nosso lema, para esta Quaresma, iniciada na passada quarta-feira, com a imposição das cinzas, e que nos conduzirá à celebração da Páscoa do Senhor. “Todos aqui renascemos”. Este desejo de «renascer», de regenerar, de renovar, de reconciliar, de reconduzir toda a nossa vida à luz da fé, aplica-se a esta Quaresma, que começamos já a viver. Na verdade, a Quaresma “é um tempo favorável para nos prepararmos, a fim de celebrar, de coração renovado, o grande mistério da morte e ressurreição de Jesus, pedra angular da vida cristã pessoal e comunitária” (Papa Francisco, Mensagem para a Quaresma 2020, n.º 1). Este é, pois, um tempo que nos é dado para nascer e “renascer uma e outra vez” (Ibidem; cf. Christus vivit, n.º 123). A Quaresma que nos é dada viver este ano é, sobretudo, um tempo favorável para preparar ou descobrir a beleza do acontecimento fundamental do nosso Batismo, pelo qual renascemos, morrendo e ressuscitando com Cristo, para uma vida nova.

 

Todos aqui renascemos”. A ideia de «renascer», de regenerar, de renovar, de reconciliar, de reconduzir toda a vida à luz da fé, aplica-se bem à Quaresma, “que é um tempo propício para nos prepararmos a fim de celebrar, de coração renovado, o grande mistério da morte e ressurreição de Jesus, pedra angular da vida cristã pessoal e comunitária” (Papa Francisco, Mensagem para a Quaresma 2020, n.º 1). Este é um tempo para nascer e “renascer uma e outra vez” (Ibidem; cf. Christus vivit, n.º 123), seja pela celebração dos sacramentos da iniciação cristã, seja pela renovação das promessas batismais, seja pela celebração da Reconciliação. Hoje a Liturgia desafia-nos com o mesmo prefixo “re”, nas palavras do apóstolo Paulo: “reconciliai-vos com Deus” (2 Cor 5,20).

Continuamos, com Jesus, no alto da montanha, a escutar nas alturas, em alta frequência e alta-fidelidade, o que não se pode escutar cá em baixo, em onda média, no meio do barulho e do entulho. Passo a passo, Jesus convida-nos a ir sempre mais alto e mais além, no caminho do amor. Um caminho de não violência, num amor sem limites! É difícil resistir ao terramoto interior que as Suas palavras fazem estremecer dentro de nós! Mais do que querer dar a volta ao texto, deixemos que o texto nos dê a volta a nós. E reconheçamos diante do Senhor que, sem Ele, nada podemos fazer.

Para nós, o mandamento «não matarás» (Ex 20,13; Mt 5,21)não é para ser revogado; é para ser completado (cf. Mt 5,17)com aquele outro: «amarás a vida, cuidarás da vida: da tua e da do teu irmão; serás cuidador do teu irmão; aceitarás estar sob os cuidados do teu irmão». Portanto,perante o sofrimento, a solução não é avançar para medidas extremas como a eutanásia, mas favorecer práticas solidárias em vez de deixar correr a indiferença e o descarte.

Jesus olha para nós, aqui reunidos à Sua volta. E diz-nos quem somos e o que espera de nós! «Vós sois o sal da terra; vós sois a luz do mundo». Parece-nos um exagero! Mas Jesus acredita em nós. Mesmo pequenos e pobres, podemos transformar a Terra e iluminar o mundo! Chamados a ser sal da terra, reconhecemos que muitas vezes perdemos o gosto e a alegria de sermos cristãos. Chamados a ser luz do mundo, nós reconhecemos que muitas vezes esta luz não irradia, mas se esconde ou se apaga.

Pág. 1 de 54
Top

A Paróquia Senhora da Hora utiliza cookies para lhe garantir a melhor experiência enquanto utilizador. Ao continuar a navegar no site, concorda com a utilização destes cookies. Para saber mais sobre os cookies que usamos e como apagá-los, veja a nossa Política de Privacidade Política de Cookies.

  Eu aceito o uso de cookies deste website.
EU Cookie Directive plugin by www.channeldigital.co.uk