Há oito dias, dissemos que a Eucaristia é o nosso «obrigado» a Deus Pai, por nos ter dado o Seu Filho e com Ele o dom do Espírito Santo. E, por isso, mais uma vez, acorremos a esta fonte, para alimentar a nossa fé. Preparemos agora, o nosso coração, para escutar a Palavra de Deus, que hoje nos recorda a necessidade de acorrer a outra fonte: a oração. Com a oração, de noite e de dia, preparamos e prolongamos a nossa Eucaristia.

Confiança, fidelidade e gratidãosão os movimentos do coração que nos aproximam de Deus e nos conduzem à salvação!“Mesmo se às vezes não Lhe somos fiéis, Ele é sempre fiel” e, com a Sua misericórdia, o Senhor não se cansa de nos estender a mão, para nos erguer e encorajar a retomar o caminho, a voltar para Ele e confessar-Lhe a nossa fraqueza, a fim de que nos dê a sua força. 

“Com Maria, renovai-vos nas fontes da alegria”. É este o lema que nos guia, neste novo ano pastoral. Somos chamados a procurar as fontes da alegria, para podermos aumentar, alimentar e fazer crescer a nossa fé, que é sempre pequenina, como uma semente, e é dada aos que são pequeninos ou se sentem pequeninos diante do Senhor.

Um pobre chamado Lázaro e um rico que nem nome tem. Ambos chegaram ao fim da vida degradados: um pela miséria, outro pela riqueza. Mas nem Lázaro se salvou por não ter nada, nem o rico se condenou por ter muito. O problema é quando o que sobra em riquezas falta em compaixão. 

Neste início do ano pastoral, a Liturgia da Palavra vem recordar-vos a palavra-chave, na relação com Deus, nosso sumo e único Bem, e na justa relação com os bens deste mundo: a fidelidade. “A fidelidade no tempo é o nome do amor; de um amor coerente, verdadeiro e profundo a Cristo”! 

Pág. 9 de 18
Top
Usamos cookies para garantir uma melhor navegação no site. Ao continuar a utilizar este site, está a dar o seu consentimento. Mais detalhes…