Projetos - Conselho Económico

 

Conselho Económico 2017/2018

“A paróquia não é uma estrutura caduca; precisamente porque possui uma grande plasticidade, pode assumir formas muito diferentes que requerem a docilidade e a criatividade missionária do Pastor e da comunidade. Embora não seja certamente a única instituição evangelizadora, se for capaz de se reformar e adaptar constantemente, continuará a ser «a própria Igreja que vive no meio das casas dos seus filhos e das suas filhas». Isto supõe que esteja realmente em contacto com as famílias e com a vida do povo, e não se torne uma estrutura complicada, separada das pessoas, nem um grupo de eleitos que olham para si mesmos. A paróquia é presença eclesial no território, âmbito para a escuta da Palavra, o crescimento da vida cristã, o diálogo, o anúncio, a caridade generosa, a adoração e a celebração. Através de todas as suas atividades, a paróquia incentiva e forma os seus membros para serem agentes da evangelização. É comunidade de comunidades, santuário onde os sedentos vão beber para continuarem a caminhar, e centro de constante envio missionário. Temos, porém, de reconhecer que o apelo à revisão e renovação das paróquias ainda não deu suficientemente fruto, tornando-se ainda mais próximas das pessoas, sendo âmbitos de viva comunhão e participação e orientando-se completamente para a missão (Papa Francisco, EG n.º 28)

 

O Conselho Económico é um órgão consultivo de colaboração com o pároco na administração da paróquia.

 

O Conselho Económico tem na sua “ordem de trabalhos” desafios importantes para o futuro da comunidade, de que se destacam o projeto de requalificação da Igreja e a colaboração na edificação da nova Sede dos Escuteiros. Está em estudo também a intervenção na residência paroquial, que carece de obras de manutenção, cujos custos ultrapassam os 30 mil euros.

 

Partilha-se aqui, em jeito de síntese, algumas notícias e propósitos da nossa agenda económica:

 

1.  Quanto ao caso do acidente do Sr. Rogério, por causa da queda da porta de entrada do guarda-vento, em janeiro de 2012, o relatório do INML fixou 10 pontos de incapacidade (em 100), um quantum doloris de 3 em 7 e um dano sexual de 2 em 7, bem como dependência de analgésicos. Tudo isto originado pelo acidente na igreja. Ou seja, o INML fixou um dano relativamente grave ao Sr. Rogério Reis. Resumindo, o quantum indemnizatório a receber pelo autor, pode ser elevado. O nosso advogado, Dr. José Figueiredo, foi notificado para a 1.ª sessão da audiência de discussão e julgamento do processo em apreço, para o dia 13.11.2017, às 14h, no Tribunal da Póvoa de Varzim. Nesse dia apenas serão ouvidas as testemunhas do autor (Sr. Rogério Reis) e posteriormente serão designadas as datas para ouvir as testemunhas da Fidelidade e as nossas.

 

2. Aguarda-se a aprovação pela DGAL, no 1.º trimestre de 2018, do projeto de requalificação da Igreja, depois do parecer favorável dado pelos serviços técnicos a CCDRN em 8 de maio de 2017. O investimento total é de 1.056.000,00€, o investimento ilegível é de 832.770,66 € e o valor máximo da comparticipação é de 582.939,46 €. É de esperar que o orçamento apresentado seja de valor menor, depois de estudadas soluções técnicas mais baratas, nomeadamente no que se refere aos vidros para isolamento térmico na parte dos vitrais da Igreja. Seria interessante apresentar o projeto no âmbito do centenário da Paróquia.

 

3. Nos primeiros dias de setembro entrou ao serviço de limpeza, a título experimental, por um mês, uma senhora reformada (não por invalidez, mas na sequência de um longo período pelo fundo de desemprego). O pagamento será apresentado como gratificação, pelo serviço prestado.

 

4. Foi feito um pedido de proposta de seguros para a catequese, à semelhança dos que estão a fazer-se em outras paróquias. Recebemos propostas da Fidelidade, com quem trabalhamos habitualmente, e de uma outra Seguradora, com crédito firmado na Diocese, a Generali Seguradora. Esta última apresenta a melhor proposta.

 

5. São convidados de honra do Centenário: (não Comissão de Honra):

 

·         Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos

·         Presidente da União de Freguesias de São Mamede de Infesta e Senhora da Hora

·         Presidente da Direção da Porto Business School

·         Frei Fernando Ventura

·         Joel Cleto

·         Guilherme Vilaverde

·         Abel Ribeiro  

 

6. Foram apalavradas algumas propostas no âmbito do centenário, nomeadamente a de uma peça pequenina, em bronze ou de outro material resistente, com imagem de Nossa Senhora da Hora, inspirada na de Irene Vilar. Este estudo será pedido pelo Diácono Figueiredo ao escultor Bruno Marques. Foi sugerida a colocação de caldeiras de água-benta na visita pascal, mandadas fazer para o efeito, com a marcação do centenário.

 

7. Foi sugerido dizer ao Grupo de Karathé que deixasse a ocupação da cripta, até aos finais de dezembro, contando com o empenho do pároco na procura de solução alternativa. O retorno económico desta parceria não compensa o transtorno do uso da cripta.

 

8. Foi pedido que “o quintal”, ocupado pelo funcionário José Manuel e pela ex-sacristã Maria José, no Parque das Sete Bicas, seja desmantelado, nos inícios de janeiro de 2018. À nova presidência e vereações da Câmara Municipal pedir-se-á colaboração no cuidado das árvores do Parque das Sete Bicas (remoção ou poda) mesmo antes da prevista requalificação do mesmo.

 

9.Os membros do Conselho Económico participam na iniciativa “24 horas para o Senhor” (10 de março, 01h00-2h00) e na oração do Rosário (30 de maio, 21h00).

 

 

 

 

 

 

 

Top
Usamos cookies para garantir uma melhor navegação no site. Ao continuar a utilizar este site, está a dar o seu consentimento. Mais detalhes…