Parque das 7 bicas

A Fonte das Sete Bicas

Este é o ícone principal da paróquia e da freguesia da Senhora da Hora. O número sete, símbolo da plenitude, aponta para os sete sacramentos, para os sete dons do Espírito Santo, para as sete virtudes, para os sete dias da semana... A água é, antes de tudo o mais, o símbolo natural da vida, da fecundidade, da purificação, de regeneração. Na Bíblia, a água torna-se verdadeiro “sacramento”, sinal sagrado da presença criadora e salvadora de Deus e é o elemento natural básico do sacramento primeiro da vida cristã: o Batismo. Obviamente que o número sete das “bicas” pretende dar significação religiosa a um culto pagão da fecundidade, associado à abundância da água neste local.

A origem desta fonte deve-se exatamente à existência de sete nascentes na Alameda das Sete Bicas, de água milagrosa para os mais antigos, de primeira qualidade nos finais do século XIX e inícios do século XX, até serem construídas as fábricas fronteiriças, dos Carrinhos a Norte e Oeste, a do Ribera a Este, que a poluíram, sendo que, no presente, é água imprópria para consumo humano, de acordo com análises que lhe têm sido feitas pelas entidades competentes.

Segundo a tradição, o sítio exato onde a Virgem Nossa Senhora da Hora apareceu foi no lugar Mãe d’água, cujo caudal tinha, na origem, várias nascentes, daí o topónimo de Sete Bicas. Trata-se certamente da tentativa de cristianização de um local pagão.

Conforme consta nas Memórias Paroquiais de S. Salvador de Bouças de 1758, a Alameda da Fonte das Sete Bicas era o antigo local sagrado da Senhora da Hora, por ali ter aparecido Nossa Senhora da Hora, ali se concentrarem três capelas do povo, designadamente a de S. Bartolomeu, mais antiga, com dependências e terreno anexo, cuja construção remonta possivelmente aos primórdios da nacionalidade ou até antes, a de Nossa Senhora da Hora, erguida em 1514 e a de Nossa Senhora da Penha de França, que não se sabe ao certo a data de construção da original.

A primitiva Fonte das Sete Bicas, anterior à capela de Nossa Senhora da Hora, encontrava-se ao centro do adro, em frente à referida capela. Em 7 de agosto de 1892, em Assembleia Geral [da Irmandade de Nossa Senhora da Hora e São Bartolomeu] estudou-se a forma de se efetuarem futuras obras. (…) Era imperiosa a mudança da Fonte das Sete Bicas, situadas no centro do adro, encostadas à parede que separava o adro do terreno da Irmandade de Nossa Senhora da Hora, para outro local, na direção Este-Oeste (…) Embora o orçamento para a obra não tivesse sido aprovado superiormente, procedeu-se à sua arrematação e caso não fosse aprovada ficaria sem efeito. Foi pouco tempo depois arrematada pelo único empreiteiro que apresentou proposta, Manuel Francisco Gomes que se comprometia a construir a obra, conforme a planta, em condições, pela quantia de 83$000 réis ao mesmo tempo que apresentou 10$00 de depósito, como garantia, que só receberia dois meses depois da obra concluída.

A sua arquitetura é simples, de linhas direitas, construída em granito. A sobrepor-se às Sete bicas existe um nicho, que teve outrora uma imagem tosca da Nossa Senhora da Hora, com o Menino Jesus ao colo, esculpida da mesma pedra.

Existe ainda um cruzeiro, colocado em 1940, por ocasião da comemoração dos 300 anos da restauração da independência de Portugal.

Top
Usamos cookies para garantir uma melhor navegação no site. Ao continuar a utilizar este site, está a dar o seu consentimento. Mais detalhes…