Liturgia e Homilia na Quarta-Feira de Cinzas 2018
Destaque

O dia litúrgico é de Cinzas, mas nenhum pó da terra consegue encobrir o encanto deste que é também o dia dos namorados.E na coincidência destas duas datas,a Quaresma desafia-nos a não deixar esfriar o amor e a deixarmo-nos mover pelo amor de Deus, que Se entrega na Cruz!

 Homilia Programática na Quarta-Feira de Cinzas 2018

Movidos pelo Amor que Se entrega na Cruz!

Felizmente há a Quaresma, que “anuncia e nos torna possível voltarmos ao Senhor, de todo o coração e com a nossa vida” (Papa Francisco, Mensagem para a Quaresma 2018) [1]. É um longo caminho, de regresso ao primeiro amor (cf. Os 2,16; Ap 2,4), uma espécie de namoro intensivo e extensivo, para não deixar esfriar o amor de Deus, “que corre o risco de apagar-se, nos nossos corações” (MQ 2018). Começamos hoje este caminho com a imposição das cinzas, na esperança de reacender em nós a chama viva do amor, que há de brilhar, em todo o seu ardor e esplendor, na luz do círio pascal, aceso no lume novo da noite de Páscoa. E fazemo-lo em sintonia com a caminhada proposta pela nossa Diocese: “Movidos pelo Amor que Se entrega na Cruz”.

I. Um exercício de aquecimento para não deixar resfriar o amor

Como pôr este amor em movimento e nos deixarmos mover por ele? Que tipo de exercício de aquecimento podemos fazer, para que não chegue a resfriar o amor? Vede esta escada, junto à Cruz [2]. «Fora da cruz, não háoutra escada, por onde se suba ao céu»” (Santa Rosa de Lima, CIC, n.º 618).  Os movimentos de descida e subida nesta escada sugerem-nos o paradoxo da descida e da subida de Jesus na Cruz e o sentido mais profundo do seu mistério pascal, assim dito por São João: “Deus amou de tal modo o mundo, que lhe entregou o seu Filho Unigénito” (Jo 3,16). Na verdade, a Cruz é, ao mesmo tempo, a escada por onde Jesus desce e é humilhado e por onde Ele sobe, para ser exaltado. Nela, o cristão aprende de Cristo, o caminho do amor, pelo qual se sobe descendo e se desce subindo! Semana a semana, da Quaresma à Páscoa, desceremos por estes degraus, para subirmos depois, no tempo da Páscoa ao Pentecostes. Cada degrau da Cruz será sinalizado com um dos atributos do amor, apresentados por São Paulo no seu Hino à Caridade (1 Cor 13,4-7). Esta escada, pela qual subimos descendo e descemos subindo, ajuda-nos a compreender que é tão necessário “o esforço da caridade” (1 Ts 1,3), para que o amor não corra o risco de esfriar. Para crescer e se fortalecer, o amor requer exercícios de aquecimento, exige treino, implica disciplina, pede renúncia e aceita humildemente a própria dor. Não daremos um passo maior que a perna! Desceremos ou subiremos um degrau de cada vez, porque o amor de Deus deve crescer em nós, pouco a pouco, passo a passo, “de glória em glória” (2 Cor 3,8)até chegarmos a ser transfigurados, à imagem de Jesus Cristo Ressuscitado.

 

II. O doce remédio para não deixar resfriar o amor

Em que se concretizam estes exercícios espirituais? Que doce remédio nos pode ajudar a voltar ao primeiro amor? Fiel ao Evangelho, a Igreja e o Papa na sua Mensagem, propõem-nos, desde o início da Quaresma, a esmola, a oração e o jejum.

 

2.1. A esmola no topo das obras do amor

A esmola (a partilha de bens) está no topo das obras do amor. Tenhamos em conta, diz o Papa, que aquilo que“apaga o amor é, antes de mais nada, a ganância do dinheiro, «raiz de todos os males» (1 Tm 6, 10)” (MQ 2018). Por isso, a conversão só é genuína quando chega aos bolsos. Desafia-nos ainda o Papa: “Como gostaria que a esmola se tornasse um verdadeiro estilo de vida para todos! Como gostaria também que no nosso relacionamento diário, perante cada irmão que nos pede ajuda, pensássemos: «Aqui está um apelo da Providência divina»”.E não nos faltarão oportunidades [3]. Não tenhamos medo de dar, até porque o Diabo entra sempre pelos bolsos!

 

2.2. A oração para conhecer Deus, na intimidade do Seu amor

Jesus recomenda-nos “entrar no segredo do quarto para rezar” e deste modo sugere-nos que a oração é um namoro com Deus, um encontro nupcial, uma expressão da intimidade do amor. “Rezar é estar a sós, com Aquele que sabemos que nos ama” (Santa Teresa de Jesus). “Dedicando mais tempo à oração, possibilitamos ao nosso coração descobrir as mentiras secretas com que nos enganamos a nós mesmos, para procurar finalmente a consolação em Deus” (MQ 2018). É muito importante preestabelecer o tempo da oração pessoal e em família. Aproveitemos um dia por semana, sugiro-vos a sexta-feira, para fazer o exame de consciência, em família, a partir de um dos atributos do amor. Rezemos mais. Pessoalmente, em família e em comunidade [4].

 

2.3. Jejum: para refrear o apetite e não deixar resfriar em nós o amor

Por fim, é-nos proposto o jejum, para crescer na elegância e na beleza do amor.  Quando alguém está apaixonado por uma obra-prima ou por alguém, até se esquece de comer, dando à tarefa ou à pessoa, a prioridade do seu tempo e do seu esforço. Jejuar significa que as nossas escolhas de vida não andam ao sabor dos apetites, mas são motivadas pelo amor. Criando em nós hábitos de sobriedade, na comida e na bebida, nos gastos de água e de luz, o jejum dispõe-nos para o dom do tempo na oração e para o dom dos nossos bens na partilha [5]. Uma das formas de jejuar pode ser a de comer sem a companhia invasiva do telemóvel, do computador e da televisão. Aprendamos a rezar, pelo menos, antes das refeições e a conversar um pouco mais à mesa. Deste modo, jejuaremos para aprender a comer como filhos e não como máquinas ou animais. Jejuemos para fazer de cada refeição um encontro amoroso e familiar, de ação de graças e de louvor ao Senhor.

 

III. Se não tiver amor, de nada me aproveitará

Irmãos: estes são os nossos exercícios de aquecimento, na escada do amor! Se não houver amor na oração, na esmola e no jejum, “de nada me aproveitará” (1 Cor 13,3), continuaremos então esfriados “no trono de gelo do nosso amor sufocado” (MQ 2018)! Mas se agirmos, movidos pelo Amor que Se entrega na Cruz, “Deus sempre nos dará novas ocasiões para reacender em nós o amor e recomeçar a amar” (MQ 2018).



[1] Citaremos a Mensagem do Papa para Quaresma 2018, com a sigla “MQ 2018”.

[2] Uma escada com duas faces ou duas escadas...

[3] Partilha com a comunidade paroquial: contribuição paroquial, no mês de março; partilha com os pobresda comunidade: apoio à conferência vicentina no 1.º domingo do mês; partilha mais alargada: contributo penitencial, Fundo Diocesano de Solidariedade e apoio a projeto na Guiné. Partilha com a Caritas, no peditório de 1 a 4 de março.

[4] Tempos de oração em comunidade: encontros em dois domingos, com Sagradas Famílias, abertos a todos,às 17h30:25 de fevereiro e 4 de março. Iniciativa “24 horas para o Senhor”, na Igreja Antiga: das 22h00 do dia 9 às 23h00 do dia 10 de março.Lectio Divina, aberta a todos, às 21h30: quinta, 22 de fevereiro; segunda, 26 de fevereiro; terça, 6 de março; terça, 13 de março.Via-Sacra com a Catequese, a partir do 4.º ano: 24 de março, às 17h30.

[5] O Santo Padre pede-nos um dia de oração e de jejum pela Paz, na sexta-feira, dia 23 de fevereiro, em particular, pela paz na República Democrática do Congo e no Sudão do Sul.

Top
Usamos cookies para garantir uma melhor navegação no site. Ao continuar a utilizar este site, está a dar o seu consentimento. Mais detalhes…