Liturgia e Homilia Todos os Santos 2017
Destaque

E são dois dias de esperança, projetados naquele terceiro dia, o dia da Ressurreição do Senhor. Os santos são a razão e a esperança de que é possível uma nova humanidade e, com ela, um mundo novo, uma alegria maior, uma vida eterna. 

Homilia na Solenidade de Todos os Santos 2017

Cf. Papa Francisco, Audiência, 21.06.2017

1. O mês de novembro é o mês da saudade, mas deve tornar-se para nós, cristãos, o mês da esperança! Por isso, antes ainda da comemoração de Fiéis Defuntos, que nos põe de olhos no chão, a liturgia deste belo dia de Todos os Santos atira-nos os olhos bem para cima. Na verdade, somos pó, mas um pó que aspira ao Céu. Por isso, somos desafiados a projetar a nossa esperança na contemplação, na imitação e na intercessão dos santos. A Carta aos Hebreus define esta companhia dos santos, que nos circundam, como uma «multidão de testemunhas» (Heb 12,1). São testemunhas da nossa esperança, num mundo novo, que começa aqui e há de chegar um dia à sua plenitude, no novo mundo que há de vir.

 

2. Por isso, os santos estão diante de nós e tão presentes à vida de cada um de nós. Lembremos que, no dia do nosso Batismo, ressoou para nós a invocação dos santos. Pouco antes da unção com o óleo dos catecúmenos, símbolo da força de Deus na luta contra o mal, o ministro convida toda a assembleia a rezar por aqueles que estão prestes a receber o Batismo, invocando os santos! Desde o dia do nosso Batismo, estamos, por assim dizer, em santa companhia, na companhia dos nossos irmãos e irmãs mais velhos, que passaram pelo nosso caminho, conheceram as mesmas dificuldades e vivem para sempre no abraço amoroso de Deus. Recordo, como momento particularmente emocionante no dia da minha ordenação, a prostração no chão, enquanto o coro cantava as ladainhas, invocando todos os santos e santas de Deus. Se por um lado me sentia esmagado sob o peso da missão que me era confiada, por outro lado, com a invocação dos santos, sentia que o Paraíso inteiro me protegia, e que, por isso, a graça de Deus não me havia de faltar.

 

3. Assim, na companhia dos santos, nunca estamos sozinhos! A Igreja é composta por inúmeros irmãos e irmãs, muitas vezes anónimos, que partiram antes de nós, e que mediante a ação do Espírito Santo nos acompanham e assistem nas vicissitudes da nossa vida terrena. Por isso, nos momentos difíceis da vida, é preciso ter a coragem de elevar o olhar para o Céu, pensando nos santos, que passaram através de tribulações ainda maiores e conservaram brancas as suas vestes batismais, lavando-as no sangue do Cordeiro (cf. Ap 7,14).

 

4. Celebrar o dia de Todos os Santos ajuda-nos, pois, a esperar contra toda a esperança, na confiança de que Deus nunca nos abandonará. Cada vez que estivermos em grande necessidade, Ele enviará um dos seus anjos para nos animar e infundir consolação. “Anjos” às vezes com um rosto e um coração humanos, porque os santos de Deus estão sempre aqui, escondidos no meio de nós e fazem parte do nosso caminho. Na verdade, é um mistério, mas os santos estão presentes na nossa vida. E quando alguém invoca um santo, do seu nome, da sua terra, da sua profissão, é precisamente porque ele está próximo.

 

5. Que o Senhor conceda a todos a esperança de sermos santos. Alguns poderão perguntar: “Padre, é possível ser santo na vida de todos os dias?” Sim, é possível. “Mas isto significa que devemos rezar o dia inteiro?” Não. Quer dizer apenas que tu deves cumprir o teu dever ao longo do dia: rezar, ir ao trabalho, educar e proteger os teus filhos. Mas para isso, é preciso fazer tudo com o coração aberto a Deus, no trabalho, na doença e no sofrimento, no meio das dificuldades. Não pensemos que é mais fácil sermos delinquentes do que santos! Não. Podemos ser santos, porque o Senhor nos ajuda. É Ele que nos assiste. Ser santo é o grande presente que cada um de nós pode oferecer ao mundo, porque a nossa história tem necessidade de santos, de pessoas movidas pelo amor de Deus, capazes de viver, de sofrer e de morrer pelos outros. Sem estes homens e mulheres, o mundo não teria esperança. Por isso, faço votos para que vós — e também eu — recebamos do Senhor o grande dom e a esperança feliz de sermos santos, como Deus é Santo! 

Top
Usamos cookies para garantir uma melhor navegação no site. Ao continuar a utilizar este site, está a dar o seu consentimento. Mais detalhes…