Liturgia e Homilias no XXVIII Domingo Comum A 2017
Destaque

No início da semana de oração pelas missões, a parábola do Evangelho deste domingo não nos deixa sossegados, à volta da mesa. Desafia-nos a sair em missão, e a estender a convite aos de mais longe, aos distantes e afastados. Revistamo-nos, desde já, do traje nupcial, da alegria do amor e da comunhão, para participarmos dignamente do banquete eucarístico.

Homilia no XXVIII Domingo Comum A 2017

 

1.Menino farto não é comedor! Mas o fastio dos primeiros convidados deixa-nos de boca aberta! Como será possível recusar umas bodas, onde há tudo, do bom e do melhor, com entrada livre e a custo zero?! Talvez uma longa reza ou um duro sacrifício no templo, talvez uma reunião de oração ou de trabalho fossem motivos válidos para algumas desculpas de mau pagador! Mas é estranho não querer entrar na alegria da festa, da gratuidade, da convivialidade, da intimidade e da amizade com Alguém, que distingue os seus amigos com um convite de comer e chorar por mais! Surpresa?! Talvez não, sobretudo se pensamos nos destinatários da parábola: eram gente piedosa e rigorosa, que levava a sua triste vida entre rezas e penitências sobre o altar e bons negócios debaixo da mesa. Era a mesma gente que criticava Jesus por acolher os pecadores e comer com eles! Surpreendidos por um Deus que dança e faz festa, por um Deus que quer a todos à volta da Sua mesa, eles acharam que tinham mais que fazer do que entrar na roda da alegria!

 

2.Irmãos e irmãs:não seremos nós gente assim, mais afeita à missa de 7.º dia do que à alegria do oitavo dia, o dia do Senhor? Não seremos nós gente com cara de funeral (EG 10), mais predisposta ao sacrifício do que bem-disposta, para a alegria do Evangelho? Não seremos nós gente pronta a pagar tudo, mas incapaz de receber de graça? Não recusamos, na prática, o convite para a festa, quando vestimos a farda do trabalho, mas não o fato domingueiro? A veste nupcial é a da alegria do amor e da comunhão feliz com o Senhor!

Felizes os convidados para a Ceia do Senhor!...

3.Mas há mais surpresas. O rei não se deixa abater pelo fracasso. Alarga o convite e abre as portas aos distantes. Este rei põe os seus servos em saída, em movimento, de modo a irem ao encontro, a procurarem os afastados, a ouvirem o grito das encruzilhadas, para convidarem os excluídos (cf. EG 24). E a sala encheu-se de convidados, bons e maus.

 

4.Neste mês missionário, neste início da semana de oração pelas missões, aprendamos a «sair da própria comodidade e a ter a coragem de alcançar todas as periferias que precisam da luz do Evangelho» (EG 20).Não cedamos à tentação de convidar os do costume, os que têm boa cara, os que já estão em todas. Somos os primeiros convidados para convidar os últimos.Na verdade, “a missão da Igreja encoraja a uma atitude de peregrinação contínua através dos vários desertos da vida, das várias experiências de fome e sede de verdade e justiça” (Papa Francisco, Mensagem para o Dia Mundial das Missões, 2017, n.º 6).Convidemos, pois, os pobres e frágeis, os descartados e inconvenientes, os suspeitos e os pecadores, e assim faremos da comunidade cristã a pátria das bem-aventuranças.

 

5.Irmãos e irmãs:teremos nós a santa ousadia de abrir as portas da nossa comunidade aos pobres de todas as pobrezas, aos afastados das nossas certezas, aos distantes das nossas seguranças, aos críticos das nossas escolhas, para que possam também eles redescobrir e saborear a alegria da fé? Estenderíamos nós a toalha da nossa mesa eucarística aos “bons e maus” segundo a nossa rígida tábua moral? Porque não havemos de estender a todos o convite?

Felizes os convidados para a Ceia do Senhor!...

Top
Usamos cookies para garantir uma melhor navegação no site. Ao continuar a utilizar este site, está a dar o seu consentimento. Mais detalhes…